Conheça o que são e as diferenças entre os cosméticos: Orgânicos, Veganos e Cruelty Free e suas vantagens.

OS ORGÂNICOS
São formulados apenas com ingredientes chamados “verdes”, ou seja, com matérias-primas cultivadas sem agrotóxicos. Normalmente são também são livres de parabenos e sulfatos, mas a necessidade de eliminar esses compostos ainda não é 100% regulamentada.

Vantagens: menor chance de ter alguma irritação na pele, porque os produtos orgânicos possibilitam o acesso às matérias-primas em estado mais puro,com pouquíssima intervenção química.

 

As meninas do bem:

gisele bundchen e miranda kerr (Foto: Getty Images)

Meninas do bem: Gisele Bündchen é ativista, super pró-alternitivas orgânicas e tem marca de cosméticos, Miranda Kerr se posiciona a favor dos animais e tem marca orgânica, Kora (Foto: Getty Images)

 

OS VEGANOS
Além de não envolver exploração dos animais em nenhuma etapa de produção (ou seja, de
ser “cruelty free”), têm sua fórmula livre de qualquer derivado animal. Exemplo: mel, leite, lanolina
(que é o extrato da lã do carneiro, super usado em hidratantes), aminoácido da seda etc.

Vantagens: seu uso tem a ver com uma bandeira de engajamento ambiental e pró-animais, óbvio. Mas, além disso, os cosméticos veganos são ainda menos alergênicos que os orgânicos e nada cancerígenos (isso segundo a corrente que associa excesso de química a câncer). Uma desvantagem? Tanto eles quanto os orgânicos quase sempre têm um prazo de validade menor, por usarem conservantes não convencionais.

 

Meninas do bem:

Luisa Mell e Giovana Ewbank (Foto: Reprodução / Instagram)

Luisa Mell sempre mostra suas aquisições de beauté “verdes” em seu blog, já Giovana Ewbank é pró-animais e dá créditos de marca que não fazem os testes (Foto: Reprodução / Instagram)

 

OS CRUELTY FREE
São feitos a partir de fórmulas desenvolvidas sem efetuar testes em animais, mas com uso de métodos alternativos, como modelos de pele equivalente e células in vitro. A certificação de cruelty free (dá pra consultar a lista que leva esse selo no site www.peta.org) não impõe restrições ao uso de componentes artificiais.

Vantagens: além de agradar ativistas, a categoria tende a incluir fórmulas mais apuradas e modernas, como O estudo em animais é feito mais rapidamente, envolve menos testes. É + complexo ‘ler’ as reações à química em outros moldes”.

 

Fonte: Revista Glamour